Dia Mundial da Limpeza, por um Planeta livre de resíduos

Dia Mundial da Limpeza, por um Planeta livre de resíduos

No dia 2 de setembro, o mundo mobilizou-se pela natureza no Dia Mundial da Limpeza, dia criado em 2008 pela fundação da Estónia Let’s Do It. Através da organização não governamental (ONG) a iniciativa Let’s Do It World, atravessou fronteiras e já é um movimento internacional que, em 2018,  recebeu o Prémio Unesco-Japão da Educação para o Desenvolvimento Sustentável.

No ano passado, reuniu mais de 21,2 milhões de pessoas em 180 países para recolher o lixo que se espalha pelo nosso planeta. Para esta edição, a iniciativa mantém-se, pedindo-se um maior cuidado devido ao COVID-19.

Para além disso, o Let’s Do It possui uma app TrashOut, com a qual é possível notificar outras pessoas, organizações ambientais e autoridades locais sobre os espaços públicos que se encontram sujos. É uma ferramenta muito útil, porque também inclui informações sobre os locais onde depositar cada tipo de resíduo, para que o seu processamento seja o mais adequado possível.

De acordo com o Let’s Do It, cada pessoa gera cerca de 1 quilo de lixo por dia. O que significa que a população mundial produz cerca de 2.700 milhões de toneladas de lixo, por ano. Assim, antes de deitar algo fora, é preciso pensar com responsabilidade se pode ser reaproveitado ou reciclado. Para a construção de um mundo mais sustentável é fundamental implementar um conjunto de hábitos de consumo e gestão de resíduos enquadrados na economia circular, com o objetivo de cuidar do planeta.


RESPONSABILIDADE

Água: os sanitários e lavatórios não devem ser usados ​​como caixotes do lixo. As administrações públicas gastam milhões de euros para resolver os problemas criados pelos esgotos, formados a partir de

lenços e outros materiais descartados indevidamente. Outro foco deste problema são os depósitos de óleo. Por exemplo, 1 litro de óleo contamina 1.000 litros de água.

Lixo: o campo, os mares, os rios, as praias e as cidades continuam a sofrer com a invasão do lixo. Um dos principais pontos

negros são as estradas. Mais especificamente, existem toneladas de resíduos que se acumulam nas sarjetas, que depois chegam à natureza. É importante evitar o impacto ambiental, deitando cada material no recipiente correto.

COVID-19: a saúde e a segurança são responsabilidade social, assim como, cuidar do planeta. Para isso, as máscaras e luvas devem ser deitadas nos contentores para o lixo indiferenciado. É fundamental, que durante a pandemia, os resíduos do COVID-19, não acabem por poluir o meio ambiente. Muitas organizações ambientais alertam para que se for mantida esta atitude, provavelmente, em breve existirão mais máscaras no mar do que medusas. Uma situação que, juntamente com os plásticos, são uma grave ameaça aos ecossistemas marinhos. Principalmente para os cetáceos, pois confundem estes resíduos com alimentos e ao ingeri-los correm o risco de morrer.


ECONOMIA CIRCULAR

Roupas: muitas roupas acabam fechadas em armários com pouca utilização. A solução é doar essas roupas ou transformá-las noutro objeto. É o poder da economia circular e do desperdício zero. Uma camisa ou uma camisola podem ser transformadas numa mala, assim como umas calças velhas são perfeitas para criar um saco.

Óleos: é um dos resíduos com grande potencial de reutilização. O óleo de cozinha usado é aplicado na produção de biodiesel, fertilizantes, ceras, vernizes, cremes, sabões, detergentes, loções, tintas, lubrificantes ou velas. A recomendação é armazená-lo em garrafas plásticas para reciclá-lo nos contentores específicos, facilitando o seu manuseamento. Muitas pessoas aproveitam para fazer sabão caseiro.

Orgânicos: muitos dos materiais que são deitados fora escondem outras funções. Os resíduos orgânicos podem ser usados ​​para gerar um composto para enriquecer o solo dos jardins. Existem formas ainda mais simples. É o caso das cascas de banana, que se forem picadas e colocadas nos vasos, podem servir de adubo para as plantas. O mesmo acontece com as cascas dos citrinos. Depois de secos, e triturados até formarem um pó fino, dão nutrientes para espécies ácidas, como azáleas, camélias, fúcsia, gardénias e hortênsias, entre outras.

(Visited 32 times, 1 visits today)